Detalhes do projeto SGP 1127

Página Inicial / Busca de Projetos / Detalhes do projeto

Fontes de ácidos graxos da dieta para a tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima e sub-ótima.

Coordenador(a): Camila Fernandes Corrêa

Vigência do projeto

01/05/2016 até 28/05/2019

Unidade responsável

DDD, Polo Regional Vale do Ribeira

IP, Centro de Pescado Continental

Área Estratégica

tecnologia da produção

Linha de Pesquisa

Sistemas de produção

 

A tilápia-do-nilo é uma importante espécie na aquicultura brasileira e mundial e é produzida em diversas regiões e condições climáticas. Entretanto, ainda há lacunas quanto a sua nutrição lipídica, principalmente em condições adversas de temperatura. Estas condições são registradas durante o inverno nas regiões sudeste e sul do Brasil, onde se concentram as maiores produções de tilápias. É sabido que os ácidos graxos têm papel fundamental na manutenção da fluidez e funcionalidade das membranas celulares com efeitos na adaptação dos peixes à variação de temperatura.

Com a finalidade de aprimorar a tecnologia de produção da tilápia foram propostos estudos, com ensaios com animais já realizados na UFSC, em Florianópolis, SC. O presente projeto tem como foco a avaliação do metabolismo de ácidos graxos, pela análise de materiais coletados durante os ensaios realizados, em complementação ao projeto “Ácidos graxos essenciais na dieta da tilápia-do-Nilo em condição ótima e subótima de temperatura”, cadastrado no SIGA (NRP 4047), e ao projeto "Temperatura e fontes de ácidos graxos para tilápia-do-Nilo" com recursos aprovados pelo CNPq e coordenado pela pesquisadora Débora Machado Fracalossi (LABNUTRI, UFSC). A parceria com a APTA será feita pela orientação nas análises químicas, análise dos dados coletados e redação de artigos. A seguir estão descritos os ensaios realizados, dos quais serão utilizados materiais para análise:

(I) Fontes de ácidos graxos na dieta de tilápias criadas em duas temperaturas - Foram testadas cinco fontes lipídicas: (1) óleo de peixe, fonte de n-3 LC-PUFA, além de SFA e MUFA; (2) óleo de linhaça, fonte de n-3 PUFA de 18 carbonos; (3) óleo de girassol, fonte de n-6 PUFA de 18 carbonos; (4) óleo de oliva, fonte de MUFA; e (5) óleo de coco, fonte de SFA. O objetivo deste estudo é selecionar fontes adequadas de ácidos graxos para a alimentação da tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima (28°C) e sub-ótima (22°C).

(II) Substituição do óleo de peixe por misturas de óleos vegetais na deita da tilápia-do-nilo em duas temperaturas - Foram avaliadas três dietas com misturas de óleos vegetais (MIX-G, MIX-GL e MIX-L) e uma com óleo de peixe (OP) em juvenis de tilapia-do-nilo em dois ensaios: a 28°C e a 22°C. Nas misturas houve diferentes inclusões dos óleos de linhaça (L) e de girassol (G) sobre uma base de óleo de coco e oliva, o que alterou a proporção de PUFA da série n-3 e n-6.

(III) - Exigência do ácido graxo alfa-linolênico para tilápias em temperatura sub-ótima - Foram testadas cinco dietas com misturas de óleos vegetais (palmiste, oliva, girassol e linhaça) com níveis crescentes de óleo de linhaça e de ácido graxo alfa-linolênico (α-LNA, 18:3n-3), e uma dieta controle com óleo de peixe. Este estudo foi realizado somente a 22°C para estimar a exigência em α-LNA para a tilápia-do-nilo em temperatura sub-ótima, a qual ainda não tinha sido estabelecida.

Os ensaios foram realizados em triplicata com juvenis de tilápia-do-nilo, mantidos em unidades experimentais em sistema de recirculação de água doce e, alimentados até a saciedade aparente com dietas semi-purificadas extrusadas. A partir das amostras já coletadas de peixe inteiro, fígado e fezes, será analisado a digestibilidade de ácidos graxos da dieta, o balanço de ácidos graxos in vivo, a histologia do fígado e, a expressão gênica de desaturases e alongases no fígado. Os dados obtidos serão avaliados estatisticamente por análise de variância ou regressão, considerando o nível de significância de 5%.

  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930