Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento, Polo Regional Vale do Ribeira

Página Inicial / Busca de Projetos

7 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 1

DESEMPENHO AGRONÔMICO, PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE GENÓTIPOS DE BANANEIRA TIPO TERRA NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DO VALE DO RIBEIRA, SP

n° SGP 1715

Os plátanos, também chamados de banana da terra ou ainda bananas de cozinhar pertencem ao subgrupo Terra e apresentam como principais diferenças aos demais subgrupos frutos grandes e com alto teor de amido, sendo consumidos cozidos, fritos ou assados. Esse tipo de banana é comercializado com preços superiores aos praticados para as bananas do subgrupo Prata, razão pela qual há grande interesse no cultivo desse tipo de banana. As bananeiras desse subgrupo são suscetíveis à Sigatoka-negra, razoavelmente resistentes à Sigatoka-amarela, tolerante ao mal-do-Panamá, medianamente prejudicadas pelos nematoides e altamente perseguidas pela broca-do-rizoma, por isso seus bananais têm vida curta, onde geralmente se colhe a planta-mãe com boa produção, o filho mediano e o neto produz muito pouco. Apesar dos esforços empreendidos para o melhoramento da bananeira e plátanos a partir de germoplasma natural selecionado pelo homem, o Brasil dedica pouca importância aos plátanos. Assim sendo, objetivou-se, com este trabalho avaliar o desempenho agronômico, produção e pós-colheita de genótipos de bananeira do subgrupo Terra nas condições edafoclimáticas do Vale do Ribeira, SP. Para tal, o experimento será implantado na fazenda experimental da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, APTA Regional Vale do Ribeira, localizada no município de Pariquera-Açu, SP, onde serão avaliados doze genótipos de banana da Terra desenvolvidos no programa de melhoramento genético da Embrapa. O delineamento será em blocos ao acaso, com doze tratamentos (cultivares) e quatro repetições. Para todos os tratamentos serão empregados o mesmo sistema de manejo de controle de pragas e doenças, condução do bananal e adubações. Na avaliação do desenvolvimento das cultivares serão coletados dados referentes à altura das plantas, diâmetro do pseudocaule, número de folhas vivas, número de perfilhos e ciclos da planta, durante dois ciclos produtivos; a produção será aferida na colheita de cada safra através da determinação da massa fresca do cacho, do número de pencas por cacho, do número de total de frutos no cacho, massa fresca e número de frutos da 2ª penca, do comprimento e diâmetro de frutos. Além disso, será analisada a qualidade pós-colheita dos frutos através das seguintes avaliações: perda de massa, suscetibilidade ao despencamento, massa da matéria fresca da polpa e da casca, diâmetro da polpa e espessura da casca, firmeza da polpa, cor da casca, teor de sólidos solúveis, pH, acidez titulável, ratio e teor de amido nos frutos.

Ver detalhes do projeto

  Erval Rafael Damatto Junior      Apta Regional / IAC

INDICADORES DE EFICIÊNCIA BIOECONÔMICA APLICADOS EM UNIDADES FAMILIARES PRODUTORAS DE PESCADOS NA REGIÃO DO VALE DO RIBEIRA, SÃO PAULO

n° SGP 1670

Recentemente muitos governos do mundo tem tido um papel mais ativo no desenvolvimento da aquicultura, considerando a importância ou potencial no ambiente socioeconômico dos países. Contudo, percebe-se a clara importância que a aquicultura pode representar para o desenvolvimento social, econômico e ambiental das regiões, e ainda os aspectos à serem observados quando da formulação de políticas públicas. O objetivo deste projeto é aplicar indicadores bioeconômicos para avaliar unidades familiares produtoras de peixes em sistema semi-intensivo no Vale do Ribeira, região de Mata Atlântica no estado de São Paulo e realizar o benchmarking econômico das pisciculturas. O estudo será conduzido na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA regional/ Vale do Ribeira) localizado no município de Pariquera-Açú, São Paulo, Brasil (latitude 24° 43’ 14’’ S e longitude 47° 52’ 43’’ O) onde serão realizadas reuniões com produtores e técnicos que atuam na área da piscicultura no Vale do Ribeira, que têm o objetivo de problematizar a realidade em que os produtores enfrentam em seu diferente meio de produção. A partir destas reuniões serão selecionadas no mínimo cinco propriedades produtoras de pescados (n=05), localizadas na região de abrangência do estudo como descrito na pagina 7 do projeto.Os parametros zootecnicos e limnológicos  serão avaliados a cada 30 dias, bem como a viabilidade econômica será realizada no termino do projeto. 

Ver detalhes do projeto

  Antonio Fernando Gervasio Leonardo      Apta Regional / IP

PISCICULTURA INTEGRADA COM PRODUÇÃO DE MACRÓFITAS ORNAMENTAIS

n° SGP 1654

A produção de tilápia representa uma alternativa para a piscicultura de água doce, especialmente aplicada para geração de renda para pequenos produtores, no entanto é necessário o desenvolvimento de metodologias de manejo e de tecnologias integradas, que visem reduzir os possíveis impactos ambientais do processo produtivo. Com crescimento da aquariofilia, o uso de macrófitas aquáticas ornamentais passou a ser muito rentável, desta forma permite ao produtor rural produzir proteína animal, tratar efluente com macrófitas reduzindo o impacto e ainda complementar a renda com a venda das plantas. Objetivo deste projeto é determinar em sistema integrado de recirculação, a eficiência das rações de 28 e 32% de proteína na produção de juvenis de tilápias, avaliando os efeitos no efluente, utilizando macrófitas para remoção do  nitrogênio e fósforo.O delineamento experimental será inteiramente casualizado com dois tratamentos e quatro repetições, serão utilizados 8 caixas d´agua de 500 litros, com entrada e saída de água constante. O povoamento será realizado com juvenis de tilápia do Nilo, revertidas sexualmente para machos, com peso médio de ± 30 g, sendo estocados na densidade de 5 peixes para cada 10 L-1. Os peixes serão arraçoados com ração comercial com seguintes níveis de proteína bruta T1: 28% P.B. e T2: 32% P.B. sendo que ambas serão fornecidas duas vezes ao dia em função da biomassa total, com taxa de 5% do peso vivo inicial e corrigida a cada biometria. Quinzenalmente os parametros limnologicos, zootecnicos serão avaliados bem como o crescimento das macrófitas. Os resultados obtidos serão utilizados para compor os cenários: 1) Piscicultura tradicional, no qual será analisado o custo do processo de manejo, o valor produto final e os impactos a qualidade da água. 2) Piscicultura integrada a macrófitas – na qual se realizarás as mesmas avaliações agregadas do custo de produção das macrófitas e o valor de mercado da mesma. 

Ver detalhes do projeto

  Antonio Fernando Gervasio Leonardo      Apta Regional / IP

Fontes de ácidos graxos da dieta para a tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima e sub-ótima.

n° SGP 1127

A tilápia-do-nilo é uma importante espécie na aquicultura brasileira e mundial e é produzida em diversas regiões e condições climáticas. Entretanto, ainda há lacunas quanto a sua nutrição lipídica, principalmente em condições adversas de temperatura. Estas condições são registradas durante o inverno nas regiões sudeste e sul do Brasil, onde se concentram as maiores produções de tilápias. É sabido que os ácidos graxos têm papel fundamental na manutenção da fluidez e funcionalidade das membranas celulares com efeitos na adaptação dos peixes à variação de temperatura.

Com a finalidade de aprimorar a tecnologia de produção da tilápia foram propostos estudos, com ensaios com animais já realizados na UFSC, em Florianópolis, SC. O presente projeto tem como foco a avaliação do metabolismo de ácidos graxos, pela análise de materiais coletados durante os ensaios realizados, em complementação ao projeto “Ácidos graxos essenciais na dieta da tilápia-do-Nilo em condição ótima e subótima de temperatura”, cadastrado no SIGA (NRP 4047), e ao projeto "Temperatura e fontes de ácidos graxos para tilápia-do-Nilo" com recursos aprovados pelo CNPq e coordenado pela pesquisadora Débora Machado Fracalossi (LABNUTRI, UFSC). A parceria com a APTA será feita pela orientação nas análises químicas, análise dos dados coletados e redação de artigos. A seguir estão descritos os ensaios realizados, dos quais serão utilizados materiais para análise:

(I) Fontes de ácidos graxos na dieta de tilápias criadas em duas temperaturas - Foram testadas cinco fontes lipídicas: (1) óleo de peixe, fonte de n-3 LC-PUFA, além de SFA e MUFA; (2) óleo de linhaça, fonte de n-3 PUFA de 18 carbonos; (3) óleo de girassol, fonte de n-6 PUFA de 18 carbonos; (4) óleo de oliva, fonte de MUFA; e (5) óleo de coco, fonte de SFA. O objetivo deste estudo é selecionar fontes adequadas de ácidos graxos para a alimentação da tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima (28°C) e sub-ótima (22°C).

(II) Substituição do óleo de peixe por misturas de óleos vegetais na deita da tilápia-do-nilo em duas temperaturas - Foram avaliadas três dietas com misturas de óleos vegetais (MIX-G, MIX-GL e MIX-L) e uma com óleo de peixe (OP) em juvenis de tilapia-do-nilo em dois ensaios: a 28°C e a 22°C. Nas misturas houve diferentes inclusões dos óleos de linhaça (L) e de girassol (G) sobre uma base de óleo de coco e oliva, o que alterou a proporção de PUFA da série n-3 e n-6.

(III) - Exigência do ácido graxo alfa-linolênico para tilápias em temperatura sub-ótima - Foram testadas cinco dietas com misturas de óleos vegetais (palmiste, oliva, girassol e linhaça) com níveis crescentes de óleo de linhaça e de ácido graxo alfa-linolênico (α-LNA, 18:3n-3), e uma dieta controle com óleo de peixe. Este estudo foi realizado somente a 22°C para estimar a exigência em α-LNA para a tilápia-do-nilo em temperatura sub-ótima, a qual ainda não tinha sido estabelecida.

Os ensaios foram realizados em triplicata com juvenis de tilápia-do-nilo, mantidos em unidades experimentais em sistema de recirculação de água doce e, alimentados até a saciedade aparente com dietas semi-purificadas extrusadas. A partir das amostras já coletadas de peixe inteiro, fígado e fezes, será analisado a digestibilidade de ácidos graxos da dieta, o balanço de ácidos graxos in vivo, a histologia do fígado e, a expressão gênica de desaturases e alongases no fígado. Os dados obtidos serão avaliados estatisticamente por análise de variância ou regressão, considerando o nível de significância de 5%.

Ver detalhes do projeto

  Camila Fernandes Corrêa      Apta Regional / IP

AVALIAÇÃO DO FLUXO SANGUÍNEO FOLICULAR E LUTEAL E ESTUDO DA TERMOGRAFIA VULVAR SUPERFICIAL EM BÚFALAS DA RAÇA MURRAH SUBMETIDAS A PROTOCOLO HORMONAL COM E SEM eCG

n° SGP 1124

A ultrassonografia doppler e a termografia digital superficial são tecnologias de recente uso na Medicina Veterinária utilizadas de maneira não invasiva. Estas são ferramentas de auxilio diagnóstico por imagem que auxiliam no estudo dos fenômenos envolvidos durante o ciclo estral, foliculogênese, ovulação, luteogênese, luteólise e as alterações que estas geram na irrigação sanguínea das estruturas ovarias assim como na temperatura corporal e vulvar, podendo ser por resposta fisiológica à ação hormonal. Sendo de grande importância o estudo destes eventos fisiológicos visando melhorar a fertilidade do rebanho bubalino brasileiro. Objetiva-se avaliar as alterações morfológicas e de fluxo sanguíneo que ocorrem nas estruturas ovarianas, além de caracterizar as variações de temperatura corporal e da vulva acompanhados por variações nas concentrações hormonais durante o protocolo hormonal com e sem eCG em búfalas da raça Murrah. Serão selecionadas 20 búfalas em lactação que terão a ovulação sincronizada, utilizando o protocolo hormonal com e sem eCG. Após o 9° dia será realizado acompanhamento diário por ultrassonografia transretal modo B e modo Doppler, visando acompanhar a dinâmica folicular, ovulação, luteogênese e luteólise. A irrigação será mensurada primeiramente de forma subjetiva e posteriormente será realizada a análise objetiva da irrigação das estruturas utilizando “software”. As termografias da vulva, mufla e olho, serão realizadas diariamente anteriormente a ultrassonografia, entre 5:30h e 8:00h, após o maior folículo atingir 8,5 mm de diâmetro a termografia passará a ser realizada 2 x ao dia, durante todas as fases do ciclo estral. Os termogramas serão armazenados no cartão de memória e analisados com auxílio de “software”. Após, será aferida a temperatura retal com termômetro clínico digital. Serão colhidas amostras de 10 mL de sangue, diariamente para a dosagem das concentrações plasmáticas de progesterona e estradiol. Os dados serão submetidos à análise de variância por meio do procedimento do General Linear Models (GLM) do pacote estatístico Statistical Analysis System (SAS, 2009). As médias serão comparadas pelo teste de Tukey a 5%. Serão determinados coeficientes de correlações entre as variáveis estudadas.

Ver detalhes do projeto

  NELCIO ANTONIO TONIZZA DE CARVALHO      Apta Regional / IZ

NUTRIÇÃO, CONTROLE PRODUTIVO, SANITÁRIO E REPRODUTIVO DE BÚFALAS LEITEIRAS

n° SGP 998

O crescente interesse dos bubalinocultores no desenvolvimento da cadeia produtiva, aliado ao aumento dos rebanhos, fez com que a espécie bubalina tenha se tornado uma fonte viável de produção de proteínas de origem animal. Isto se deve à fácil adaptação dos búfalos a diferentes regiões do mundo. A população bubalina mundial cresceu 24,6% nos últimos 10 anos e, atualmente, é estimada em aproximadamente 195 milhões de cabeças, das quais 110 milhões encontram-se na Índia. No Brasil, no mesmo período, a população bubalina aumentou 13,1%, o que demonstra a adaptabilidade da espécie às nossas condições e as possibilidades futuras da bubalinocultura como atividade emergente no país.

Entretanto, como ocorre nas demais espécies de interesse zootécnico, o crescimento do rebanho bubalino deve estar associado a ajustes finos nas propriedades, que viabilizem o controle da produtividade – o que possibilita a identificação dos indivíduos que possuem mérito genético – e, consequentemente, à multiplicação e à distribuição dos animais melhoradores. Se assim conduzida, a bubalinocultura - que atualmente responde por 13,3% da produção mundial de leite – tende a se tornar uma atividade econômica cada vez mais atraente sob os pontos de vista econômicos e sociais.

Nesse contexto, o presente projeto tem como meta implementar melhorias na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Registro e, desta forma, torná-la Unidade Modelo e Difusora de Tecnologia para a Região do Vale do Ribeira. Dessa forma, o bubalinocultor poderá se espelhar na Unidade e assim, aumentar a produtividade de seu rebanho, com conseqüente aumento nas suas condições sócio-econômicas. O pequeno produtor quando bem remunerado, consegue empregar toda a família na atividade e gerar empregos para a população. Dessa forma, ele, sua família e seus funcionários passam a ser incluídos na sociedade e a viver de maneira digna. 

Ver detalhes do projeto

  NELCIO ANTONIO TONIZZA DE CARVALHO      Apta Regional / IZ

Tratamentos associados ao protocolo Ovsynch para superar o anestro sazonal de búfalas leiteiras.

n° SGP 997

A sazonalidade reprodutiva em bubalinos é caracterizada por alterações comportamentais, endócrinas e reprodutivas que ocorrem em períodos distintos do ano. Durante a estação reprodutiva desfavorável, a prevalência de dias mais longos suprime o comportamento estral e a ovulação, limitando a eficiência reprodutiva, especialmente em relação aos programas de inseminação artificial. Para superar o anestro sazonal de búfalas leiteiras, o projeto proposto consiste de dois experimentos. No primeiro exp., serão utilizadas 27 fêmeas bubalinas distribuídas em um de três grupos (GC, GM e GP4). Nas búfalas do GM serão inseridos implantes de melatonina no D -20. No D0, as fêmeas de todos os grupos receberão a administração intramuscular (im) de GnRH e, além disso, nas búfalas do GP4, será inserido um dispositivo intravaginal de P4, que permanecerá por 7 dias. No D7, todas as fêmeas receberão uma dose im de PGF2α. Dois dias após, mais uma aplicação de GnRH será efetuada em todos os animais. Serão realizadas avaliações ultrassonográficas para verificar a presença de CL, de folículos ≥ 8mm (FL), para mensurar o diâmetro (ø) do FL, para aferir a taxa de ovulação ao 1º GnRH e ao final do protocolo e também para avaliar o ø e a % de CL. No exp. 2, 225 búfalas serão submetidas aos mesmos tratamentos descritos no exp. 1, com as seguintes diferenças: 16h após o 2º GnRH, todas as fêmeas serão inseminadas. No D20, as búfalas serão submetidas à monta natural, para a cobertura no retorno ao estro. Serão realizadas também avaliações ultrassonográficas para verificar a presença de CL, de FL, para mensurar o ø do FL, para aferir as taxas de ovulação ao 1o GnRH e ao final do protocolo, para avaliar o ø e a % de CL, para o diagnóstico de gestação e para quantificar as perdas gestacionais e a taxa de prenhez por monta natural. Espera-se que tanto os dispositivos intravaginais de P4 quanto os implantes subcutâneos de melatonina quando associados ao protocolo Ovsynch, possibilitem o reestabelecimento da atividade cíclica ovariana, com satisfatórias taxas de ovulação e de prenhez à IATF e à monta natural, possibilitando a desestacionalização dos partos.

Ver detalhes do projeto

  NELCIO ANTONIO TONIZZA DE CARVALHO      Apta Regional / IZ
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930