Projetos APTA em todas as unidades, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

429 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 15

Produção de biomassa de bactérias ácido láticas autóctones em meios a base de diferentes tipos de soro de leite e otimização de processos de secagem

n° SGP 2501

Há uma crescente demanda e popularidade por parte dos consumidores por alimentos funcionais, dentre eles aqueles acrescidos de microrganismos benéficos, o que tem desafiado a indústria a produzir grandes quantidades de culturas viáveis que mantenham sua funcionalidade e que sejam estáveis durante o processamento e armazenamento desses produtos. Entretanto, a produção de culturas de BAL em larga escala não é tão simples, já que são microrganismos fastidiosos e a produção de biomassa com altas concentrações de  células viáveis por grama ou mililitro, implica em utilizar meios de cultivo adequados para cada espécie. A escolha do meio de cultura para produção de microrganismos é feita considerando-se os custos, a eficiência de produção celular e a facilidade de recuperação das células. Assim, o objetivo deste projeto é formular meios de cultura à base de soro de leite proveniente da fabricação de dois queijos tradicionais brasileiros para produção comercial de BAL (uma cepa com características tecnológicas e funcionais interessantes), além de avaliar a efetividade do soro de leite como agente protetor dessa cepa durante a secagem por liofilização (freeze-drying) e atomização (spray-drying) e durante o período de armazenamento. 

Ver detalhes do projeto

  Adriana Torres Silva e Alvez      ITAL

Avaliação da atividade antioxidante de peptídeos provenientes de hidrolisados de soro de leite em células intestinais Caco-2

n° SGP 2499

O estresse oxidativo é comum a diversas doenças crônicas degenerativas, sendo um dos fatores mais críticos nas desordens gastrointestinais, como doenças inflamatórias do intestino e câncer de cólon. As espécies reativas de oxigênio (EROs) são produzidas durante o metabolismo celular, porém um desequilíbrio na produção e capacidade antioxidante pode promover o estresse oxidativo. Nestas condições os antioxidantes endógenos não são suficientes para manter as concentrações baixas de EROs. Peptídeos derivados de alimentos tem sido estudado devido as suas propriedades antioxidantes e seu potencial para o tratamento/prevenção de doenças associadas ao estresse oxidativo e como uma alternativa natural aos antioxidantes sintéticos. As células intestinais são continuamente expostas à EROs gerados no lúmen intestinal. Portanto, este trabalho propõe avaliar a atividade antioxidante de hidrolisados peptídicos derivados do soro do leite sobre células intestinais Caco-2 estimuladas com peróxido. A obtenção dos peptídeos se dará pela hidrólise com pepsina e pancreatina em um sistema de simulação in vitro da digestão humana (INFOGEST). O hidrolisado será caracterizado pelo teor de proteína, umidade, grau de hidrólise e tamanho molecular. As culturas Caco-2 serão pré-tratadas durante 24 h com as frações peptídicas do hidrolisado total e estimuladas por mais 1,5 h com H2O2 (4mM). A bioatividade será testada através dos parâmetros de viabilidade celular, produção de espécies reativas de oxigênio, óxido nítrico e conteúdo de glutationa. O estudo das propriedades antioxidantes dos peptídeos isolados pode trazer benefícios a saúde do consumidor, servindo como alimentos funcionais, que além do seu valor nutricional apresentam propriedades preventivas para o desenvolvimento de doenças gastrointestinais.

Ver detalhes do projeto

  Maria Teresa Bertoldo Pacheco      ITAL

Desenvolvimento de produtos à base de vegetais

n° SGP 2498

Estudos apontam que existe necessidade de inovação em produtos alimentícios que reduzam o impacto ambiental, em destaque, para o sistema de produção das proteínas de origem animal (GODFRAY, 2018). Sabe-se que preocupação com a saúde e a segurança alimentar (MA, 2021) são tendência crescentes mundialmente. O farelo de girassol é um subproduto da produção de óleo e por suas características nutricionais pode ser aproveitado no desenvolvimento de produtos sem a presença de proteína animal. O plano de trabalho consiste na obtenção da matéria prima desengordurada e remoção dos compostos fenólicos: O farelo de girassol será adquirido comercialmente de empresas da região, semi desengordurado a partir de grãosdescascados. Após a caracterização da matéria prima serão elaborados 2 produtos substitutos a proteínaanimal, tais como almôndegas e quibe. Na empresa Zona Cerealista Online serão adquiridos os demais ingredientes a serem utilizados, provenientes dos fornecedores com respectivos laudos técnicos. Os produtos elaborados passarão por análises físico-química, nutricional, microbiológica e sensorial. Para as formulações finais será realizada a rotulagem nutricional dos produtos.

Ver detalhes do projeto

  Maria Teresa Bertoldo Pacheco      ITAL

Desenvolvimento de produtos plant based a partir da farinha proteica de girasssol: combatendo o desperdício

n° SGP 2497

Os hábitos alimentares dos consumidores têm mudado constantemente em função de sua conscientização das limitações dos recursos ambientais e do crescimento populacional. O mercado consumidor tem mostrado um direcionamento na preferência de produtos de fácil preparo, saudáveis e produzidos dentro de um conceito de sustentabilidade ambiental. A valorização de coprodutos agroindustriais surge como uma tendência mundial no contexto da sustentabilidade, como meio de tornar o agronegócio mais rentável, aumentar a oferta de alimentos no mundo e extrair destes compostos nutricionais e bioativos benéficos à saúde. O Brasil se destaca por sua diversidade agrícola e produção de óleo, o subproduto gerado pela extração do óleo de girassol é fonte de proteínas, fibras alimentares, minerais e compostos bioativos, os quais podem ser aproveitados para desenvolvimento de novos alimentos. Nesse contexto, os objetivos do projeto visam contribuir para o desenvolvimento sustentável e redução da insegurança alimentar, produzindo alimentos semi-prontos para o consumo de alto valor nutricional, a partir do aproveitamento da farinha de girassol residual da extração do óleo. O projeto visa o desenvolvimento dois produtos “Plant Based”, uma massa de panqueca líquida e outro similar a almôndega de carne, embasados no conceito eco-eficiente de Design de Sistema Produto-Serviço (PSS) para a sustentabilidade na indústria de alimentos. Os produtos serão caracterizados com relação as suas propriedades físico-químicas, nutricionais e sensoriais. A estabilidade dos produtos será verificada em função da análise de shelflife. A avaliação sensorial será aplicada para definir o perfil sensorial, aceitação e intenção de compra. 

Ver detalhes do projeto

  Maria Teresa Bertoldo Pacheco      ITAL

Reformulação de iogurte com diferentes teores proteicos e substituição da sacarose por prebióticos

n° SGP 2494

Os alimentos funcionais têm tido uma notoriedade crescente no cardápio das pessoas, seja através de novas tecnologias ou por um destaque em alimentos que já possuíam essa característica, mas seus efeitos na saúde não eram tão valorizados, porém essa mudança de percepção tem contribuído para estudos mais aprofundados sobre o tema (BINDELS et al.,2015). O consumo proteínas tem um papel muito importante na manutenção da estrutura das fibras musculares e densidade óssea, principalmente após os 50 anos, quando essas estruturas começam a diminuir no corpo humano, isso aumenta a importância do consumo de produtos que possuam teores mais encorpados de proteínas, como é o caso dos iogurtes. Outro fator importante a ser considerado é o fato de que o consumo elevado de açucares na alimentação diária que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), contribui significativamente para o aparecimento de algumas doenças como, hipertensão, obesidade, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, olhando para essas informações. Inserido neste contexto, esse projeto visa o estudo da reformulação de uma bebida láctea com substituição do açúcar adicionado por fibras prebióticas: xilooligossacarídeo (XOS) e Isomalto-oligossacarídeos (IMO). Será utilizada a técnica de planejamento experimental para o planejamento dos ensaios. As amostras de cada ensaio serão caracterizadas quando ao comportamento reológico, pH, sinérese. Esses parâmetros serão analisados na amostra recém-fabricada e durante o período de vida de prateleira, estimado em 45 dias.

Ver detalhes do projeto

  Maria Isabel Berto      ITAL

DETERMINAÇÃO DE BISFENOL A EM CERVEJAS COMERCIALIZADAS EM LATAS DE ALUMÍNIO NO BRASIL

n° SGP 2493

As resinas epóxi acrilato, utilizadas como revestimento interno em latas de cervejas, têm como um dos elementos de sua formulação o composto 2,2-bis(4-hidroxifenil)propano, conhecido como bisfenol A (BPA). A função do revestimento é promover o isolamento entre a bebida e o alumínio, evitando interações indesejadas entre a embalagem e a bebida. Nesse sentido, as propriedades físicas e químicas que o BPA agrega ao verniz de revestimento tem grande importância tecnológica, no entanto, em contrapartida alguns estudos indicam a contaminação por BPA em diversos alimentos. Estudos indicam que o BPA e seus correlatos podem ser classificados como disruptores endócrinos, neurotóxicos e causadores de problemas cardíacos a depender da concentração a qual o indivíduo seja exposto. O BPA possui diversas aplicações nos mais variados setores produtivos, e o volume de produção apresenta taxas de crescimento constantes nos últimos anos. Por consequência, a presença desse composto e de seus produtos de degradação inseridos antropogenicamente nos variados ecossistemas são motivos de preocupação ambiental e epidemiológica. Sendo assim, o objetivo do presente trabalho é investigar, em cervejas envasadas em lata de alumínio, uma possível migração do BPA do revestimento da lata para a cerveja. Para tanto será validada uma metodologia analítica envolvendo extração por QuEChERS e determinação UPLC-MS/MS e será avaliada a presença de BPA em diferentes marcas e lotes de cervejas comercializadas na região de Campinas.

 

Ver detalhes do projeto

  Silvia Amélia Verdiani Tfouni      ITAL

Impacto do processo de torra na formação de compostos furânicos em café

n° SGP 2486

Os cafés gourmets são cafés de alta qualidade e com sabor e aroma mais suaves devido a seleção dos grãos e à torra controlada. Para serem consumidos, os grãos de café são submetidos ao processo de torra, alterando a composição física, química e estrutural destes. Após a torra, os grãos apresentam alta concentração de diversos compostos voláteis, tornando estes compostos responsáveis pelo aroma característico do café. Os furanos contribuem consideravelmente para as características sensoriais do café torrado, conferindo aroma de caramelo à bebida. Contudo, podem ser possíveis contaminantes carcinogênicos para humanos. Por esse motivo, reduzir a exposição a esses compostos é de extrema importância. Assim, os objetivos do presente projeto são validar e otimizar um método para a detecção de furanos em café através da microextração em fase sólida por múltiplo headspace (MHS-SPME) e cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massa (GC-MS), avaliar a mudança de perfil de voláteis do café durante o processo de torra e avaliar o impacto sensorial da redução de furanos na bebida de café. Avaliar a mudança do perfil de voláteis e a formação de furanos durante a torra é importante para definir qual o melhor processo para mitigar a exposição do consumidor, conciliando a segurança do alimento com a qualidade do produto.

Ver detalhes do projeto

  Silvia Amélia Verdiani Tfouni      ITAL

AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE DE GIRINOS DE RÃ-TOURO (Lithobates catesbeianus) AO HERBICIDA ATRAZINA (ATANOR 50 SC®) ATRAVÉS DE TESTES DE EVITAMENTO E ESTRESSE OXIDATIVO

n° SGP 2478

Nos últimos anos muitos herbicidas foram introduzidos no país para sua utilização na prevenção de organismos oportunistas nas lavouras. Porém existem muitos problemas relacionados a essas ações, pois existem grande número de compostos químicos contaminantes que se acumulam no ambiente e consequentemente trazem impactos ambientais graves ao solo, ar e água. Isso impacta diretamente os organismos vivos, principalmente os aquáticos que sofrem com essa contaminação. Os testes de evitamento ou fuga, foram elaborados inicialmente para testar compostos químicos na terra, sofrendo adaptações para serem aplicados aos ecossistemas aquáticos e seus organismos. Isto favoreceu coleta de dados de fuga e evitamento de principais concentrações de contaminantes dos compostos químicos presentes no ambiente aportado pelos pesticidas. Portanto, este estudo tem como objetivo analisar as características comportamentais através do teste de evitamento e os possíveis efeitos tóxicos do herbicida Atrazina, utilizando girinos de rã-touro (Lithobates catesbeianus) como ferramenta experimental. O teste de comportamental terá a duração de 12 horas e os possíveis efeitos tóxicos serão mensurados através de análises bioquímicas oxidativas e a degradação de proteínas e aminoácidos do fígado após a exposição a 48h ao herbicida. Adicionalmente, espera-se avaliar a capacidade que os organismos vivos possuem de escapar de alguns contaminantes tóxicos e analisar as possíveis injúrias fisiológicas decorrentes deste processo.

Ver detalhes do projeto

  Cláudia Maris Ferreira Mostério      IP

Avaliações fenotípicas de desempenho, medidas morfométricas e características ultrassonográficas de carcaça de cordeiros

n° SGP 2471

O projeto será conduzido na fazenda VPJ, no município de Mococa, com os ovinos das raças Dorper e White Dorper. O manejo da propriedade consiste em três estações de parição ao ano, com, aproximadamente, 250 matrizes. A propriedade ficará responsável em enviar todos os dados genealógicos dos animais (matrizes, reprodutores e cordeiros, acasalamentos, etc) digitados, bem como os pesos de nascimento dos cordeiros e, por ventura, dos animais adultos quando fizer parte do manejo da propriedade. No desmame (± 70 dias) e em uma próxima data ainda a ser definida (aproximadamente 180 dias de idade) os cordeiros serão avaliados quanto ao peso, medidas morfométricas para posterior estimativa dos índices morfométricos e características de espessura de gordura (EG –) e área de olho de lombo (AOL) realizadas por ultrassonografia (apenas na última visita), sendo necessário então, seis visitas à fazenda. Essas duas avaliações/cordeiro serão realizadas pelo pesquisador do IZ (ou sua equipe). Após a coleta de dados, começarão a ser feitas as avaliações fenotípicas e, posteriormente, as genéticas.

Ver detalhes do projeto

  Ricardo Lopes Dias da Costa      IZ

Avaliação do controle de nematódeos gastrintestinais em borregas e nos piquetes sob lotação contínua ou rotacionada, com a suplementação com o produto Bioverm®?,

n° SGP 2470

As parasitoses gastrintestinais dos ovinos são consideradas o maior problema sanitário e um dos maiores entraves do sistema produtivo ovino, principalmente me regiões tropicais, gerando sérios prejuízos econômicos, pela alta mortalidade dos animais ou pelos custos com tratamentos e prejuízos no desenvolvimento dos ovinos. A multirresistência aos anti-helmínticos, apresentada pelos nematódeos, principalmente pelo Haemonchus contortus, verme hematófago mais patogênico e mais prevalente, torna-se necessária a realização de pesquisas de controle alternativo às gastroenterites parasitárias nessa espécie. Dessa forma, o controle biológico é de extrema importância, visto não só ser uma alternativa a esse controle, sem a necessidade ou com boa diminuição do uso de quimioterápicos, mas também pela diminuição de resíduos no meio ambiente e na carne, atendendo a uma importante demanda dos consumidores. Assim, o produto Bioverm, com fungos nematófagos, será testado em um manejo de ovinos com pastejo contínuo, com o objetivo de avaliar a eficácia do produto no controle dos parasitas nas pastagens e nos ovinos. 24 ovinos serão dispostos em 2 tratamentos - controle e tratado, divididos em 8 piquetes, de aproximadamente 800m2 cada, onde receberão o produto diariamente misturado na ração. Mensalmente os animais serão avaliados quanto ao peso, condição corporal, escore Famacha, ovos por grama de fezes e identificação das larvas infectantes enquanto que nos piquetes será mensurado a disponibilidade de forragem, avaliação bromatológica do capim e recuperação, identificação e contagem das larvas presentes na pastagem. 

Ver detalhes do projeto

  Ricardo Lopes Dias da Costa      IZ

Efeito da suplementação de homeopáticos para vacas na dieta de vacas leiteiras e bezerros em aleitamento

n° SGP 2468

Nas vacas o período de transição, que compreende o intervalo de tempo entre as três semanas antes do parto e as três semanas pós-parto é o momento de maior desafio sanitário para vacas leiteiras, devido às inúmeras alterações que acontecem preparando a vaca para o parto e lactação subsequente. É neste período que ocorrem a maior parte das doenças relacionadas ao ciclo produtivo de vacas leiteiras. Portanto, o objetivo deste estudo será avaliar a inclusão de composto homeopático na dieta de vacas leiteiras e seus efeitos sobre o desempenho produtivo e saúde de vacas no período de transição. Serão utilizadas 24 vacas hígidas da raça Holandesa, prenhes, e com parto previsto para 30 dias após o início das avaliações. As vacas serão avaliadas a partir dos 21 dias antes da data prevista para o parto, até 60 dias após o parto. As vacas serão aleatoriamente distribuídas em dois tratamentos: a) CON (controle; dieta basal com inclusão apenas do veículo do produto) e b) HF (adição de 2g/vaca/dia do composto homeopático Homeobase Figotonus®). Serão coletadas amostras de alimentos, sobras e sangue. Será monitorado o escore de condição corporal das vacas, e as ocorrências clínicas serão registradas durante todo o período de estudo. Com esse estudo, espera-se avançar no conhecimento sobre o uso da homeopatia e seus benefícios no desempenho produtivo e saúde de vacas leiteiras em período de transição.

E verificar se a suplementação do aditivo homeopático oral auxiliará no controle de processos infecciosos de diarreia por meio nas mudanças do metabolismo hematológico, na imunidade de bezerros na fase de aleitamento aumentando sua resistência às infecções e levando a um maior desempenho nesta fase de criação.

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      IZ

MELHORAMENTO GENÉTICO FEIJÕES ESPECIAIS, OUTROS PULSES E GERGELIM PARA DIFERENTES MERCADOS

n° SGP 2461

O feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.) é a leguminosa mais importante como fonte de proteína vegetal para a população brasileira, atende à alimentação dos diversos estratos de classes de renda ao apresentar baixo impacto no orçamento das famílias, quando comparado com dietas baseadas em proteína animal. Além do feijoeiro comum, existem outras espécies cultivadas no Brasil, denominadas como PULSES ou Puls (“sopa grossa”), ou seja, são as leguminosas secas e, no Brasil, seus representantes mais conhecidos são além do feijão comum, os feijões Vigna sp. (V. mungo, V. radiata, V. angularis, V. umbellata e V. unguiculata), a ervilha, a lentilha e o grão-de-bico. No Brasil, a espécie de Vigna mais conhecida é o feijão-caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp), conhecido por vários nomes como feijão-macassar e feijão-de-corda (na região Nordeste); feijão-de-praia, feijão-da-colônia e feijão-de-estrada (região Norte) e feijão-miúdo (região Sul). O gergelim, Sesamum indicum L., é uma cultura cujas evidencias de sua prática datam do início da civilização. Possivelmente, seja originária da Índia e da região em que onde hoje é o Paquistão. Em escavações realizadas em sítios da civilização hindu foi encontrado gergelim em estratos atribuídos a 3050-3500 a.C. As evidências de cultivos desses tempos indicam que a extração do óleo era a principal atividade. Atualmente, o gergelim tem se destacado pela forte demanda e consumo por países asiáticos e europeus e o Brasil tem demonstrado apto para a produção em grande escala, no entanto, a disponibilidade de cultivares melhoradas adaptadas ao país e de sementes certificadas tem sido um freio para a expansão da cultura.

Esta pesquisa desenvolverá atividades de melhoramento genético, avaliação de populações segregantes e ensaios regionais com linhagens avançadas para as culturas de feijão especiais, pulses (mungo e adzuki) e gergelim adaptadas regionalmente em SP e nos principais estados produtores como MT, MS, GO, MG TO e DF. Após a obtenção de cultivares e registro no MAPA-RNC, estas novas cultivares serão licenciadas para a iniciativa privada para produção de sementes.

O objetivo principal será: Avaliar germoplasma, promover o melhoramento genético, multiplicar e licenciar sementes de cultivares de feijões: comum (Phaseolus vulgaris L.) e vignas, bem como gergelim, para o mercado brasileiro e também para exportação.

Objetivos específicos: i) promover por meio de novos cultivares, o mercado de feijão no Brasil para o consumo de feijões especiais; ii) promover por meio de novos cultivares o comércio de espécies de feijão Vigna sp. e gergelim em diferentes mercados; iii) realizar capacitação de técnicos para produção de feijões e outras espécies de Pulses (Vigna e gergelim) com qualidade no mercado nacional e internacional.

Ver detalhes do projeto

  Sérgio Augusto Morais Carbonell      IAC

Qualificador individual de frutos e hortaliças pela avaliação da conformidade do perfil, teor de umidade e teor de sólidos solúveis (açucares).

n° SGP 2453

Existe no mundo bem como no Brasil, a necessidade de determinar a perfeita conformac?a?o, bem como o grau de maturac?a?o de frutas e hortalic?as assegurando assim a qualidade do produto, agregando-se a este desenvolvimento valor de mercado. Para alcanc?ar este resultado sera? desenvolvido um equipamento para esta atividade, utilizando-se formas conjugadas de te?cnicas de ultrassom associado a? te?cnicas de ana?lise de imagens digitais. O equipamento de forma continua, ira? realizar a segregac?a?o de indivi?duos em na?o conformidade aos padro?es estipulados pelo cliente. As te?cnicas de ana?lise de imagens sa?o de extrema importa?ncia para localizac?a?o espacial, determinac?a?o da forma e tamanho dos frutos e hortalic?as no sistema de selec?a?o, propiciando a determinac?a?o dos pontos a serem utilizados pelo utltrassom, visto que, para determinac?a?o da concentrac?a?o de a?gua e o teor de ac?ucares do fruto, e? determinado pela variac?a?o do tempo de percolac?a?o da onda no material durante o processo, utilizando-se para isso a lavagem como acoplante. Espera-se com este equipamento executar uma melhor selec?a?o de frutas e hortalic?as, agregando valor ao produto nacional visando sua qualificac?a?o, buscando atender normas internacionais. Ale?m disso, pela selec?a?o gene?tica auxiliar no desenvolvimento de para?metros para o aprimoramento da cultura. Por ser um projeto inovador, este acaba impactando no desenvolvimento tecnolo?gico da empresa, bem como prospectando novos nego?cios de inovac?a?o em um mercado inexistente no Brasil. “O mercado de qualificac?a?o agri?cola”.

Ver detalhes do projeto

  Maria Aparecida Lima      IAC

Previsões e Estimativas das Safras Agrícolas do Estado de São Paulo para 2021

n° SGP 2443

Os levantamentos estatísticos do Instituto de Economia Agrícola - IEA são: memória, informação atual e perspectiva de futuro para a agricultura paulista. Permitem que o amplo conjunto de informações pesquisadas e sistematizadas no ano estejam disponíveis à sociedade para o uso conforme a necessidade de cada segmento, do produtor ao consumidor final. Elaborar estatísticas agrícolas (previsão e estimativas de safras) pode contribuir com conhecimento para o setor produtivo, governos municipais e estadual, e principalmente orientar os produtores rurais em tempo real da necessidade.

Melhorar os canais de apoio ao levantamento da Previsão e Estimativa de Safras do Estado de São Paulo através da maior interação entre seus agentes sem incorrer em aumento de gastos:

  1. Realizar a Previsão e Estimativa de Safras do Estado de São Paulo de 2021com base na metodologia apresentada no item 12.
  2. Melhoria na interação entre CDRS e IEA, órgãos oficiais e isentos, que diretamente são responsáveis pela coordenação e execução do levantamento através de reuniões ante e post a pesquisa de campo de dados da produção agropecuárias do Estado de São Paulo. 
  3. Reuniões agendadas entre os técnicos do IEA e CDRS com foco na melhoria progressiva de cada produto e geral das informações disponibilizadas à sociedade.
Ver detalhes do projeto

  Felipe Pires de Camargo      IEA

Reformulação da Coleta dos Preços Médios Recebidos (PMR) pelos Agricultores no Estado de São Paulo: atendendo novas demandas do século XXI

n° SGP 2442

Pretende-se com esse projeto continuar a manutenção de melhorias no levantamento de preços recebidos pela agropecuária paulista. Reordenamento do calendário de levantamento entre os produtos do Diário e do Mensal, atualização da ponderação, introdução de novos produtos através de levantamentos experimentais são alguns dos desafios para a rotina desse projeto no ano de 2021 que pretendemos registrar através de artigos técnicos e científicos durante sua execução.

Ver detalhes do projeto

  Danton Leonel de Camargo Bini      IEA

Viabilidade Econômica do Sistema Integração-Lavoura-Pecuária - Um estudo de caso em Guaíra-SP

n° SGP 2440

Os sistemas integrados de produção, contidos na denominada Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), têm sido difundidos e adotados nas diversas regiões brasileiras, inclusive no estado de São Paulo. No entanto, apesar dos esforços de análise dos resultados obtidos a partir de projetos desenvolvidos por outras instituições, em virtude da complexidade e da heterogeneidade dos sistemas integrados, ainda carecem de um esforço maior de análise no aspecto econômico, que demonstrem sua viabilidade econômica, sem a qual fica dificultada sua adoção pelos agropecuaristas.

Nesse sentido, esse projeto visa analisar os resultados, especialmente econômicos, do sistema Integração-Lavoura-Pecuária (ILP) adotado por uma propriedade paulista desde a safra 2002/2003 e que, de acordo com os relatos do responsável técnico e dos proprietários, têm sido alvissareiros.

A propriedade está localizada em Guaíra, uma importante região produtora de grãos e pecuária bovina do estado de São Paulo, que conta com infraestrutura de armazenagem, de comercialização e abate de bovinos reunindo, assim, condições favoráveis de expansão regional desse sistema.

Ver detalhes do projeto

  Terezinha Joyce Fernandes Franca      IEA

Preços Correntes: Valor da Terra Agrícola e Trabalho Rural

n° SGP 2437

O projeto “Preços correntes” ocorre desde 1969, englobando os levantamentos referentes aos valores de terra agrícola e ao trabalho rural. A proposta diz respeito à dois projetos subjacentes, o primeiro referente ao trabalho rural, e seus respectivos levantamentos (Salários rurais, Pagamento de empreita e Quantidade colhida), e o segundo referente ao Valor da terra agrícola e seus levantamentos (Valor de Terra Nua, Imóveis Rurais com benfeitorias, Arrendamento pagamento em dinheiro e Aluguel de Pasto). Essa proposta visa coordenar as ações integradas entre esses levantamentos, ou seja, analisar e propor alterações na metodologia de levantamento, pesquisar a aderência das perguntas elaboradas há mais de 30 anos, se for o caso, propor a substituição dessas perguntas por outras mais aderentes ao cenário atual. Além disso, elaborar e realizar treinamentos aos informantes do projeto e propor alterações nas formas de publicação das informações.

            Assim, a proposta visa o melhoramento do funcionamento dos levantamentos estatísticos ligados aos valores da terra e ao trabalho rural, procurando oferecer à sociedade civil estatísticas de qualidade, fundamentais na programação de médio e longo prazo das atividades agrícolas.

Ver detalhes do projeto

  Felipe Pires de Camargo      IEA

Trajetória das Câmaras Setoriais do agronegócio paulista de 2011 a 2020: desafios e perspectivas

n° SGP 2436

Apesar da multiplicidade de políticas desenvolvidas para o agro nacional, ainda são significativas as desigualdades e os desafios no campo brasileiro, sobretudo para os pequenos agricultores.

Questões importantes que se colocam quando se foca na agropecuária brasileira são: as políticas agrícolas e as políticas públicas vigentes são eficientes para a promoção do desenvolvimento sustentável do agro nacional/paulista? Existem disparidades no acesso às políticas agrícolas e públicas? Elas são igualmente acessadas por todos os segmentos do agro, por todas as regiões produtoras e por todos os perfis de produtores? 

Ao que se percebe, as políticas não têm se mostrado suficientes para o desenvolvimento do agro em função da heterogeneidade de desafios derivados de distintas culturas, diferentes regiões e múltiplos perfis tecnológicos e dificuldade de acesso à informação e às políticas.

Outro ponto é que elas necessariamente não são bem concebidas, e acabam por ocorrer problemas de operacionalização, fatos que dificultam o acesso por parte dos produtores e às próprias políticas. Além disso, normalmente não são previstos indicadores na sua concepção, o que dificulta sua avaliação e caracterização de problemas ao longo do tempo.

Um modelo implementado no Brasil são as Câmaras Setoriais, compostas pelos elos de toda uma cadeia produtiva, as quais foram concebidas para dialogar com o setor privado, tentando com esse fórum organizar demandas que pudessem ser encaminhadas ao poder público e, a partir disso, após estudo técnico, se transformarem em políticas públicas. Com isso seria possível encurtar o caminho entre a concepção e implementação de políticas públicas, ganhando-se objetividade e tempo na resolução de problemas setoriais, além de atender as reais necessidades dos diversos setores.

Várias mudanças ocorreram na função exercida pelo Estado em nossa sociedade, pois ao logo do tempo estas passaram por muitas transformações. Se hoje sua função é promover o bem estar da sociedade e, para isso, é necessário que sejam desenvolvidas ações em diferentes áreas, seu o objetivo maior, nos séculos XVIII e XIX era cuidar da segurança pública e a defesa externa, mostrando que a democracia trouxe novas responsabilidades ao Estado (CALDAS, 2008).

Para atingir resultados em diversas áreas e promover o bem-estar da sociedade, os governos se utilizam das Políticas Públicas.

Em Caldas (2008), define-se Políticas Públicas como “a totalidade de ações, metas e planos que os governos (nacionais, estaduais ou municipais) traçam para alcançar o bem-estar da sociedade e o interesse público”. Na verdade, as ações são tomadas pelos dirigentes públicos com base em suas prioridades, conforme seu entendimento das demandas ou expectativas da sociedade, o que significa dizer que “o bem-estar da sociedade é sempre definido pelo governo e não pela sociedade”, pois a sociedade não consegue se expressar integralmente, a não ser por demandas (CALDAS, 2008). Estas demandas, na maioria das vezes, proveem de grupos organizados como ONGs, associações, entidades representativas, sindicatos etc.

Interessante observar que um dos pontos que Caldas coloca é que as decisões governamentais partem de suas prioridades, apesar de considerar que a sociedade se expressa, mas não se expressa integralmente. Quando se pensa no modelo das Câmaras Setoriais este modelo partiria de um outro pressuposto, pois a ideia é de que as demandas ocorram a partir dos setores organizados em um fórum específico. Os limites, se ocorrem, se devem ao atendimento selecionado dos pleitos, pelo poder público conforme seus interesses de plano de governo.

Para Rua (2015),

“embora uma política pública implique decisão política, nem toda decisão política chega a constituir uma política pública. Podemos encontrar um exemplo na emenda constitucional para reeleição presidencial, ou na CPMF, ou, ainda, na criação de um novo estado da federação. Observe que essas situações apresentadas são decisões, mas não são política pública. Já a reforma agrária, o Sistema Único de Saúde, o financiamento da educação superior ou a adoção de mecanismos de transferência de renda são políticas públicas”.

Para Silva et all (2009),

“as transformações do papel do Estado englobam novas configurações nas quais novos atores são incluídos e definidos processos na administração pública que determinam relações com a sociedade civil. Esta redefinição do papel do setor público mostrou a necessidade de criação de mecanismos de articulação entre o Estado e a sociedade, com mudanças a partir da década de 1990. A perspectiva era de modernização e aumento da competitividade dos setores produtivos com a possibilidade de adaptação às alterações ocorridas no mercado internacional, agora globalizado”.

Dentro desta nova visão, surgiram as Câmaras Setoriais, que devem exercer o papel de dar subsídios ao Estado para solucionar impasses da sociedade civil.

No Brasil as Câmaras Setoriais surgem nos anos de 1980, com o fim do regime militar e a democratização do Estado, mas é apenas em 1990 que passam a ser organizadas no setor agropecuário. No estado de São Paulo, apenas a partir de 1991 que passaram a ser utilizadas como instrumento de auxílio ao poder público (SILVA, 2009).

A partir de então passam a exercer um papel mais dinâmico junto ao Estado, trazendo pautas focadas nas necessidades das cadeias produtivas, apesar de terem diferenças na sua dinâmica de atuação e de funcionamento.

Neste sentido, a utilização da ferramenta de organizar setores através de seus elos da cadeia produtiva pode ter se tornado uma forma mais coerente de elaborar políticas públicas. Importante saber se nas Câmaras Setoriais isso tem ocorrido de fato e o quanto este fórum tem sido a forma mais representativa de encaminhar demandas, se estas demandas têm sido consistentes para formar políticas públicas, assim como detectar se o poder público tem se utilizado deste instrumento para implantar ou mesmo corrigir políticas públicas.

A partir destas considerações podemos entender que as Câmaras Setoriais devem cumprir a função de propor aos governos pautas de políticas públicas de forma organizada, juntando os diferentes elos das cadeias produtivas num espaço privilegiado de debate onde os interesses dos agentes podem ser demandados para o poder público de forma colegiada e representativa e possam, a partir destas, através de decisões políticas, se tornar políticas públicas.

Entretanto, há grande heterogeneidade entre as cadeias produtivas e no comportamento de seus elos, sendo que em algumas percebe-se a participação mais contundente do setor agropecuário (dentro da porteira) e em outras do setor de processamento. Também é destaque, o fato de algumas serem mais ativas que outras, observando que há umas que não promovem reuniões.

Tais colocações apontam no sentido da importância de compreender como têm ocorrido o desenvolvimento do papel das Câmaras Setoriais como indutoras de políticas públicas para os governos. Melhor, se este modelo de atuação, tomando como base as Câmaras Setoriais do agronegócio do estado de São Paulo e do Brasil nos últimos dez anos, tem mantido seus objetivos; e apontar e analisar quais as principais pautas trazidas à debate e a avaliação de atendimento às demandas e da viabilização destas em políticas públicas propostas. Ou seja, reconhecer seu papel com indutor de políticas públicas executáveis num período mais recente.

Ver detalhes do projeto

  Rosana de Oliveira Pithan e Silva      IEA

): Reestruturação dos Sistemas de preços do Atacado e Varejo e Suas Relações de Consumo

n° SGP 2434

A coleta de preços de comercialização de alimentos nos mercados atacadista e varejista já ocorre a décadas no Instituto de Economia Agrícola com grande êxito, dado que estas estatísticas estão entre as mais acessadas da Instituição. Contudo, a permanência de coleta sistemática de um produto deve ir além do seu tempo de vida e dos acessos atuais as suas bases de dados. As estatísticas precisam estar aderentes as necessidades atuais dos usuários, ter metodologia atual, utilizar técnicas de ciência de dados, ser capaz de captar oscilações pontuais, ser disponibilizadas com agilidade e de forma fácil e dinâmica e, se possível, ser capaz de antecipar tendências. Nesta linha, a proposta de pesquisa, busca reestruturar os sistemas de preços do atacado e varejo do Instituto de Economia Agrícola (IEA) desde a sua concepção e através de parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) atualizar os parâmetros de dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) e construir um modelo amostral e sistemático de atualização anual de consumo de alimentos na região em estudo, sendo, que esta base irá ponderar os grupos de consumo e consequentemente os indicadores de variação do dispêndio da cesta de mercado.

Ver detalhes do projeto

  Vagner Azarias Martins      IEA

Cidadania no Campo: Rotas Rurais

n° SGP 2433

A mobilidade em espac?os rurais mostra-se carente de instrumentos que viabilizem o acesso a?s propriedades rurais e o deslocamento de pessoas, produc?a?o, insumos, servic?os de emerge?ncia, seguranc?a, entregas e outros. A ause?ncia desses instrumentos compromete a qualidade de vida, as atividades socioecono?micas e o pleno exerci?cio da cidadania pela populac?a?o rural. O Programa Cidadania no Campo - Rotas Rurais tem o objetivo de oferecer soluc?o?es tecnolo?gicas capazes de preencher essa lacuna presente no ambiente rural; tomando como apoio sistemas de informac?o?es geogra?ficas para tratamento de banco de dados de imagens, mapas de geolocalizac?a?o e de roteamento, e a validac?a?o de informac?o?es reunidas em uma u?nica plataforma de acesso remoto. As aplicac?o?es envolvem a disponibilizac?a?o de mapas logi?sticos e roteadores interativos que permitira?o a ra?pida localizac?a?o da propriedade rural e suas rotas de acesso, assim como constituira? importante apoio ao enderec?amento rural e interac?a?o entre diferentes bases de dados, a exemplo, de informac?o?es fitossanita?rias, socioecono?micas e socioambientais.

Ver detalhes do projeto

  Priscilla Rocha Silva Fagundes      IEA

Agroecologia e circuitos curtos de comercialização no estado de São Paulo: renda, segurança alimentar e desenvolvimento local.

n° SGP 2429

A investigação tem por objetivo analisar o cenário atual dos circuitos curtos de comercialização em municípios selecionados do estado de São Paulo. O reconhecimento das potencialidades e fragilidades do comércio local de alimentos orgânicos e agroecológicos orienta-se por metodologias de pesquisa quali-quantitativa e pesquisa participante. As entrevistas semiestruturadas auxiliarão no levantamento de informações a respeito de iniciativas para o comércio direto de alimentos orgânicos nas várias modalidades de comercialização dos circuitos curtos (cestas, delivery, feiras, mercados institucionais, espaços e lojas especializadas), especialmente, as feiras agroecológicas. O diagnóstico com os resultados do estudo de casos múltiplos (situações municipais) da produção local, perfil da produção (agricultura familiar, caiçaras e comunidade indígena guarani) e dos consumidores de FLV orgânicos permitirá compartilhar experiências que poderão subsidiar a elaboração e/ou aperfeiçoamento de políticas públicas destinadas à promoção da alimentação saudável, geração de renda no campo e desenvolvimento territorial. A equipe multidisciplinar (agronomia, biologia, economia, estatística, geografia, sociologia e zootecnia) reúne pesquisadores científicos da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) e extensionistas rurais da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo: Instituto de Economia Agrícola/APTA; Polo Regional Centro Sul, UPD em Agricultura Ecológica/APTA; Polo Regional Vale do Paraíba, UPD Ubatuba; Departamento de Desenvolvimento Sustentável, do Centro de Programas de Uso Sustentável; Escritórios de Desenvolvimento Rural (EDR) de São Paulo e Mogi das Cruzes, Casas de Agricultura da Baixada Santista e Litoral Norte, da Coordenadoria do Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS); e dois colaboradores  externos: da Coordenadoria de Segurança Alimentar e Nutricional, Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Prefeitura de São Paulo; da e Coordenação Técnica Local (Itanhaém) da Fundação Nacional do Índio (FUNAI).

Ver detalhes do projeto

  Soraia de Fátima Ramos      IEA

Resistência de ácaros fitófagos e predadores a pesticidas e estratégias de manejo de artrópodes-praga com uso de ácaros predadores em diversas culturas

n° SGP 2425

Um dos fatores que dificultam a produção e a comercialização de diversas culturas agrícolas de importância econômica no Brasil é o ataque de diversas espécies de ácaros-praga. Algumas espécies de ácaros das famílias Tetranychidae e Tenuipalpidae têm causado enormes prejuízos à agricultura em muitos países, incluindo o Brasil. O ácaro-rajado, Tetranychus urticae Koch (Acari: Tetranychidae), causa sérios prejuízos em diversas culturas, incluindo algodão, feijão, mamão, morango, pêssego, uva, tomate, crisântemo, gérbera e rosa. Os ácaros Brevipalpus spp. (Acari: Tenuipalpidae) são considerados pragas-chave de culturas como citros, café, diversas fruteiras e ornamentais, e estão associados à transmissão de várias viroses, incluindo o vírus da leprose dos citros (Citrus leprosis virus - CiLV) e o da mancha anular do cafeeiro (Coffee ringspot virus - CoRSV). Raoiella indica Hirst (Acari: Tenuipalpidae) é outra espécie de ácaro-praga que tem causado sérios prejuízos principalmente aos cultivos de coco e banana, no Brasil. No caso de coqueiro, em infestações severas, pode causar a morte de plantas jovens, assim como, a queda de flores e frutos. Os ácaros predadores da família Phytoseiidae são considerados os principais inimigos naturais de ácaros-praga de importância agrícola. Um dos sérios problemas enfrentados pelos agricultores tem sido a dificuldade para o controle dos ácaros-praga através do uso de agroquímicos. O desequilíbrio biológico causado pela eliminação de inimigos naturais e o rápido desenvolvimento de resistência de ácaros-praga aos acaricidas estão entre as principais razões para essa dificuldade de controle. O objetivo geral do projeto é obter subsídios para o estabelecimento de programas de manejo de ácaros-praga (Tenuipalpidae, Tetranychidae) em diversas culturas, com ênfase em cultivos de citros, café, banana, coco e plantas ornamentais (ex.: rosas, gérbera). Os objetivos específicos são: 1) estudar a resistência de T. urticae a acaricidas, em populações procedentes de várias culturas e diferentes regiões brasileiras, incluindo estudos de caracterização bioquímica e molecular da resistência; 2) estudar a resistência de ácaros predadores (ex.: Phytoseiulus macropilis e Euseius spp.), a acaricidas/inseticidas, incluindo estudos de caracterização bioquímica e molecular da resistência (com análise de transcriptoma em linhagens S e R para P. macropilis); 3) Avaliar a influência da aplicação de produtos fitossanitários sintéticos (inseticidas, acaricidas, fungicidas) e de origem biológica [extratos de plantas, entomopatógenos (fungos, bactérias)], sobre o desempenho de ácaros predadores (Phytoseiidae) no controle de ácaros Brevipalpus e redução na incidência da leprose em plantas (mudas) de citros; 4) avaliar estratégias de manejo de artrópodes-praga (ex.: Brevipalpus spp., Oligonychus ilicis, R. indica, T. urticae; Bemisia tabaci, Frankiniella occidentalis) nas culturas de citros, café, banana, coco, plantas ornamentais (rosa, gérbera, crisântemo) com ênfase no uso de ácaros predadores (Phytoseiidae, Laelapidae) para o controle biológico de ácaros-praga, e resistência de plantas (cafeeiro e bananeira) a ácaros pragas.

Ver detalhes do projeto

  Mário Eidi Sato      IB

Índice de Preço de Importação da Borracha Natural

n° SGP 2420

Uma planta endêmica da Amazônia brasileira, a Hevea brasiliensis (seringueira), passou a ter exploração comercial crescente com a produção de borracha natural nessa região a partir da década 1820 até a década de 1910, quando começou o declínio das exportações. Em 1890 a região produzia 95% da borracha natural do mundo e em 1928 somente 2,3% (LIMA, 2016). Durante seis décadas o Brasil dominou o mercado mundial de borracha natural. A partir da década de 1920 a produção e exportação brasileira desse produto entrou em declínio. Hoje o Brasil produz 1% da borracha natural do mundo (LIMA, 2016).

No decorrer da década atual o Brasil atingiu uma produção que garante em torno de 40% da demanda de seu mercado interno. Os outros 60% são adquiridos via importação (ANIP, 2013). Em torno de 70% da produção de borracha natural brasileira é consumida pelas indústrias de pneumáticos, com a seguinte destinação: cerca de 50% na substituição de pneus usados, no mercado interno; 25% pelas montadoras e veículos automotores instaladas no Brasil e os 25% restantes são exportados (ANIP, 2013). Com o acelerado aumento na produção automobilística no País, a previsão é de que o consumo de borracha natural também continuará crescendo, tendo atingido em torno de 500 mil toneladas em 2015 e com previsões de se alcançar 600 mil em 2020. Enquanto a produção de borracha natural no mesmo período deverá ser respectivamente de 180 e 280 mil toneladas. Além do mais, como a demanda por borracha natural no Sudeste da Ásia também deverá crescer, a oferta da borracha asiática deverá ser consumida na própria região, agravando o problema brasileiro de suprimento do produto.Numa realidade na qual a produção no leste asiático é parcialmente subsidiada pelo Estado, e no Brasil, os instrumentos de regulação estão cada vez mais direcionados à conciliação dos agentes do mercado, a periódica averiguação pública do funcionamento do preço referência de importação da borracha natural se apresenta necessária para sanar questionamentos de imperfeições de mercado na definição do valor do produto importado. Tomando frente nesse encaminhamento, o Instituto de Economia Agrícola (IEA), através de seu know-how adquirido em décadas de acompanhamento do mercado agropecuário brasileiro, coloca-se à disposição para desenvolver esse projeto de revisão das variáveis que compõem o preço referência de importação.Nesse sentido o objetivo do projeto é calcular e divulgar o índice de preço de importação da Borracha Natural tecnicamente especificada. Assim o  presente projeto modernizará o cálculo de definição do preço referência da borracha importada tendo em visita a necessidade de posição consensual entre os diferentes elos da cadeia produtiva.

 

Ver detalhes do projeto

  Marli Dias Mascarenhas Oliveira      IEA

Efeito de promotores de crescimento na produção de mudas de hortaliças

n° SGP 2412

A produção de mudas de alta qualidade exige especificidade do produtor ou viverista e uso de alta tecnologia, dentre as quais vale ressaltar o uso de bandejas de polietileno, substratos inertes e de fácil manuseio, controle e automatização ambiental, fertirrigação com produtos de alta solubilidade, controle fitossanitário apurado com o uso de inseticidas e fungicidas modernos de alta eficiência, inoculantes, biostimulantes e biorreguladores de crescimento, mas que contenham todos baixo impacto ambiental. Nesse sentido, o uso de bactérias promotoras de crescimento de plantas, como o Bacillus spp. podem impactar positivamente na produção de plantas,  pelo aumento no rendimento e, uma vez que podem atuar indiretamente na supressão de doenças e diretamente pela produção ou alteração da concentração de fitohormônios, fixação de nitrogênio atmosférico, solubilização de nutrientes, oxidação do enxofre e aumento de permeabilidade das raízes.

Embora escassos os trabalhos de pesquisa com mudas de hortaliças, há fortes evidências que os efeitos fisiológicos proporcionados pela aplicação desses produtos manifestam-se já na fase inicial do desenvolvimento das plantas e estes efeitos poderão ser transmitidos muito mais cedo para as plantas no campo, o que é extremamente interessante para as culturas hortícolas com problemas de incidência precoce de pragas e doenças. Diante deste contexto e da necessidade de novas informações acerca da eficiência do uso de produtos a base de Bacillus amyloliquefaciens na produção de mudas e desenvolvimento inicial de hortaliças, realizar-se-á o presente projeto de pesquisa.

Ver detalhes do projeto

  Thiago Leandro Factor      IAC

Valor da Produção Agropecuária no Estado de São Paulo, 2021 e 2022.

n° SGP 2410

A pesquisa visa suprir de uma estrutura de levantamento, processamento, avaliação e divulgação de dados sobre o valor da produção agropecuária do Estado de São Paulo objetivando calcular a magnitude da renda gerada pela agropecuária, para subsidiar análises de desempenho desse setor da economia. O VPA é calculado pelo produto de duas estatísticas: a) produção agrícola e b) preço médio recebido pelo agricultor, ambas disponibilizadas pelo IEA. Também são elaborados, pela fórmula de Fisher, Índices de Preços e de Produção. Os resultados do estudo estarão divulgados para o Estado de São Paulo, para as regiões administrativas – EDR e RA e no site do IEA, com a inclusão de uma análise interativa.

Ver detalhes do projeto

  José Roberto da Silva      IEA
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930