Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento, Polo Regional Vale do Paraíba

Página Inicial / Busca de Projetos

11 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 1

ANÁLISE DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE DUAS LINHAGENS DE LAMBARIS DO GÊNERO AstyanaxBAIRD& GIRARD, 1854 (TELEOSTEI: CHARACIFORMES: CHARACIDAE)

n° SGP 1886

O sistema de cultivo em tanques escavados em terra ou viveiros tem sido empregado há muito tempo. Porém, a piscicultura desenvolvida em tanques-rede é uma modalidade que vem apresentando forte crescimento nos últimos anos (MPA, 2015).A criação de peixes confinados em tanques-rede visa à produção com alta produtividade e no menor tempo possível, pois permite uma densidade volumétrica muito maior que as outras modalidades. Neste sistema, há economia de água, o manejo é mais fácil e os custos são menores. Outra vantagem é que os tanques-rede também podem ser colocados dentro de viveiros escavados de forma a otimizar o restante do espaço para a produção de outras espécies consorciadas, maximizando a produtividade total e os lucros.

O suporte financeiro para realização das pesquisas científicas será feito pelo Prof. Dr. Miguel Petrere Junior ligado a Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade, Campus Sorocaba, Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Uso de Recursos Renováveis, mediante a termo de compromisso anexo.

 

Ver detalhes do projeto

  Sergio Henrique Canello Schalch      Apta Regional / IP

O modelo WEAP para análise do ambiente construído em relação aos recursos hídricos das sub-bacias dos ribeirões do Curtume e Água Preta: Estudo de caso na cidade de Pindamonhangaba, no estado de São Paulo/Brasil.

n° SGP 1640

A qualidade da água de uma bacia hidrográfica é influenciada por diversos fatores e, dentre eles o clima, a cobertura vegetal, a topografia, a geologia, bem como o tipo, o uso e o manejo do solo da bacia hidrográfica. Os vários processos que controlam a demanda e oferta da água de determinado manancial fazem parte de um frágil equilíbrio, motivo pelo qual alterações de ordem física, química ou climática, na bacia hidrográfica, podem modificar suas características quali-quantitativas. O presente estudo tem por objetivo aplicar a ferramenta WEAP - Water Evaluation and Planning System, para análise do ambiente construído em relação aos recursos hídricos das sub-bacias do ribeirão do Curtume e Água Preta num estudo de caso no município de Pindamonhangaba, no estado de São Paulo – Brasil. Os resultados por meio de avaliação e planejamento usando a ferramenta WEAP serão relacionados ao panorama ambiental das sub-bacias considerando ainda as condições climáticas, índices de qualidade de água e indicadores de ocupação. Basicamente esta ferramenta inovadora permite através do balanço hídrico da bacia, calcular a quantidade de água disponível para atividades rurais e urbanas (ambientes construídos). Este modelo pode também contribuir para tomada de decisões durante a escassez hídrica sazonal e definir o melhor planejamento para distribuição, bem como a possibilidade de simular os impactos de novos empreendimentos, além da formação de um banco de dados técnicos gerando informações institucionais para uso regional e estadual. O apoio institucional financeiro será da IMED, bem como para a publicação dos resultados alcançados em periódicos e eventos nacionais e internacionais.

Ver detalhes do projeto

  KARLA CONCEIÇÃO PEREIRA      Apta Regional / IAC

PRÁTICAS INTEGRATIVAS EM PROPRIEDADE RURAL Estudo de caso nos municípios de Guararema e Santa Branca, no estado de São Paulo.

n° SGP 1636

 

Práticas simultâneas como produzir e conservar são possíveis observando a legislação ambiental incidente em toda propriedade rural, independente do seu tamanho. No planejamento estratégico de uma pequena propriedade rural ou seja com até quatro módulos, a gestão e o manejo produtivo agropecuário permeiam a conservação dos recursos naturais – solo, água, fauna e flora, a produção de bens e serviços e estes ambientais e ecossistêmicos, a transferência de conhecimento empírico, científico e tecnológico, contribuem para a fixação e manutenção do homem e sua família na terra. Sem deixar de focar questões como a disposição dos resíduos, os tratamento dos efluentes, a otimização e o uso racional da água, o bem estar animal, as questões legais e acima de tudo a valorização e o envolvimento do produtor rural com seu conhecimento e sua história de vida. As práticas integrativas propostas para este estudo de caso nos municípios de Guararema e Santa Branca darão início a integração pesquisa-ensino-extensão da sociedade beneficiaria direta do estudo – pequenos produtores rurais e as instituições ligadas a temática da agricultura e meio ambiente no Vale do Paraíba, comprometendo-se ambos os segmentos a implantação do sistema piloto de cultivos aquícolas sustentáveis, a adequação ambiental dos sistemas de produção e da propriedade rural como um todo, e a conservação e preservação do meio ambiente. Neste sentido, o esforço conjunto também promoverá o acesso as políticas públicas que se adequarem à necessidade dos envolvidos, tais como crédito fundiário, habitação rural, estímulo à produção orgânica, FEAP, PROSAF, entre outros.  É deste impulso que a região precisa a curto, médio e longo prazo. Os planos, projetos e programas governamentais já são realidade, mas precisamos superar as dificuldades de implantação e cumprimento de normas envolvendo produtores rurais, a assistência técnica, e organizações locais/regionais. E, neste momento, é primordial que se encontrem caminhos para estabelecer processos e procedimentos exequíveis de produção e conservação no Vale do Paraíba fortalecendo a agricultura familiar. Só assim vamos prosperar, expandir e compartilhar os benefícios das práticas integrativas locais com o restante da população regional. Esta é a principal expectativa das instituições envolvidas no presente estudo de caso.

Ver detalhes do projeto

  KARLA CONCEIÇÃO PEREIRA      Apta Regional / IAC

SEGURANÇA HÍDRICA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE LORENA

n° SGP 1619

Assegurar o acesso sustentável à água de qualidade, em quantidades adequadas à manutenção dos meios de vida, do bem-estar humano e do desenvolvimento socioeconômico; garantir proteção contra a poluição hídrica e desastres relacionados à água; preservar os ecossistemas em um clima de paz e estabilidade política é a definição dada pela ONU para a segurança hídrica. O presente projeto vem apresentar os avanços a serem implantados no município de Lorena/SP, através do plano corporativo e municipal, da setorização e das obras previstas para redução e controle de perdas no sistema de abastecimento de água. O município apresenta um índice de perdas elevado, próximo a 30%, para águas não faturadas. Considerando a atual concepção dos setores de abastecimento, o sistema necessita passar por constante e adequado monitoramento, e este se dá também pela implantação de macromedidores e adequação dos distritos de medição e controle. Em 2016, foi aprovada a etapa de obra para implantação de mais um distrito de medição e controle, subdividindo o município em dezenove distritos. O financiamento se dará com recursos FEHIDRO, e o programa corporativo da SABESP tem-se tornado aplicável a todos os municípios em que a empresa opera e o plano municipal de Lorena instituído pela Lei Municipal 11.445 de 05/01/2007, visando ambos a implementação de Programa de Redução de Perdas de água no sistema de abastecimento, trazendo ganhos significativos à gestão local do recurso hídrico. Observa-se que as metas para redução do índice de perdas, tornam-se alcançáveis com as ações interinstitucionais e o apoio do Comitê de Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul.

 

 

 

Ver detalhes do projeto

  KARLA CONCEIÇÃO PEREIRA      Apta Regional / IAC

ECOAGRICULTURAS - Cultivando Águas e Boas Práticas no Litoral Norte

n° SGP 1153

O Projeto “Ecoagriculturas – cultivando águas e boas práticas do litoral norte” tem a duração de 24 meses e está localizado na UGRHI 03 – Litoral Norte, nos municípios de Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela, Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar, visando “integrar as ações e experiências em agroecologia na UGRHI-LN 03, com objetivos específicos de desenvolver estratégias de boas práticas de manejo das atividades agropecuárias para aproveitamento racional e proteção dos recursos hídricos”.  Os principais 200 beneficiários diretos são agricultores, proprietários rurais, gestores e técnicos dos órgãos públicos e membros de colegiados e da sociedade civil atuantes na temática.

A proposta foi elaborada de forma democrática e participativa por representantes do GT Agroecologia do CBHLN, da Rede de Sementes do Litoral Norte e membros da sociedade civil, engajados em construir e fortalecer um trabalho regional e coletivo de boas práticas de agroecologia; redirecionando as práticas de agricultura tradicional para evitar o uso intensivo de agrotóxicos e manejo inadequado do solo e dos recursos hídricos. A melhor ecoeficiência das unidades produtivas rurais do litoral norte ajudará a restaurar a condição ambiental das propriedades e, dessa forma, a proteção dos recursos hídricos, além de promover a segurança alimentar e a geração de renda local. 

Como estratégia para alcançar os resultados esperados, foi desenhado um fluxograma sequencial de ações que propiciem a gestão e construção participativa do início ao fim, impactando também na capacitação contínua e permanente dos envolvidos durante o processo; bem como no fortalecimento coletivo e a mobilização dos envolvidos para o compartilhamento de boas práticas, as quais potencializam as metas do Plano de Bacia e áreas afins.

Os principais produtos e benefícios são: 01 análise situacional participativa de boas práticas existentes na região (vide descritivo no documento como “Boas Práticas Agrícolas/Agropecuárias - BPA”), como um marco zero para atuais e futuras ações de planejamento, o qual também norteará 01 Plano de Trabalho Participativo para o percurso do projeto e sugestões de conteúdos para 06 Encontros de Fortalecimento Regional e 04 Capacitações Temáticas com intercâmbios (vivências práticas) entre os proprietários e municípios. Além de melhorar a qualidade da capacidade técnica dos agricultores e demais beneficiários, o envolvimento direto dos beneficiados torna viável a elaboração de Planejamento Integral de 20 Propriedades/posse e a escolha e implantação prática de pelo menos 04 unidades de adaptação tecnológica de práticas visando a transição agroecológica para o aumento da ecoeficiência de unidades produtivas da zona rural. De acordo com as demandas levantadas no Planejamento Integral das propriedades serão escolhidas práticas para melhorar a gestão da unidade, além de estratégias para conservação e proteção da biodiversidade, do solo e da água. As unidades de adaptação tecnológica serão acompanhadas para evoluírem e se tornarem uma referência para a difusão de práticas que facilitem a transição agroecológica na região.

Para as estratégias de comunicação integrada e compartilhamento das boas práticas estão previstos 01 Fórum Regional, 01 Documento Final com diretrizes e encaminhamentos, bem como o uso de sites e redes sociais do proponente e parceiros para difusão.

O projeto enquadra-se nas seguintes diretrizes institucionais da Secretaria de Agricultura e Abastecimento:

  • AGRO SP Sustentável: uma vez que visa, 1- desenvolver ações para que o agronegócio do Estado de São Paulo atinja níveis de excelência em conservação e gestão dos solos, recursos hídricos e biodiversidade; 2- construir sistemas que minimizam o impacto ambiental do processamento e produção do agronegócio, por meio de 1- uso e conservação de solo, recursos hídricos e biodiversidade; 2- adoção de protocolo de boas práticas e agricultura de baixo carbono.
  • Inovação, Empreendimento & Fomento: uma vez que visa, 1- Desenvolver iniciativas e novos modelos de negócios no Estado de São Paulo; 2- Criar ambientes favoráveis à inovação; 3- Estimular a inovação como indutora do desenvolvimento do Agronegócio de São Paulo, por meio de apoio às organizações rurais.
  • Saudabilidade e Segurança dos Alimentos: por meio de 1- Desenvolver ações para melhora nutricional dos produtos do Agronegócio Paulista, por meio do desenvolvimento de produtos e processos. 
Ver detalhes do projeto

  ISABEL FERNANDES PINTO VIEGAS      Apta Regional / IEA

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NO POLICULTIVO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE MacrobrachiumrosenbergiiE LAMBARIS Astianaxaltiparanae

n° SGP 1073

O projeto será desenvolvido em dois anos consecutivos no Setor de Aquicultura do Polo Regional do Vale do Paraíba – APTA Regional, Pindamonhangaba (SP), utilizando 16 viveiros com 16 m2 cada.O objetivo será avaliar o desempenho produtivo e a sustentabilidade econômica e ambiental de dois sistemas de produção de camarões de água doce Macrobrachium rosenbergii em policultivo com lambaris Astyanax altiparanae.No Sistema 1 (primeiro ano do projeto), os lambaris serão confinados em tanques rede (TR) e os camarões serão cultivados livremente nos viveiros, nos seguintestratamentos:  A - Monocultivo de lambaris em TR na densidade de 50m-3 de viveiro; B – Monocultivo de camarões no viveiro, na densidade de 10m-2 de viveiro; C - Policultivo de lambaris em TR a 50 m-3 e camarões livres a 10 m-2 e D – Policultivo de lambaris em TR a 25m-3 e camarões livres a 10 m-2. No Sistema 2 (segundo ano do projeto), os lambaris e os camarões serão cultivados livremente no viveiro, nos seguintes tratamentos: A - Monocultivo de lambaris na densidade de 50 m-3 de viveiro; B – Monocultivo de camarões na densidade de 10 m-2 de viveiro; C - Policultivo de lambaris a 50 m-3 e camarões a 10 m-2 e D – Policultivo de lambaris a 25 m-3 e camarões a 10 m-2. Cada experimento terá a duração de 150 dias eserá utilizada uma ANOVA para testar os indicadores propostos. Os parâmetros zootécnicos a serem avaliados serão: sobrevivência, peso e comprimento médios individuais, biomassa, taxa de crescimento específico (SGR) e taxa de eficiência alimentar aparente (FCE). A sustentabilidade ambiental será medida pelaquantidade e eficiência do uso dos recursos nitrogênio, fósforo, água e espaço, além da avaliação sanitária dos animais cultivados.A sustentabilidade econômica será avaliada pelos indicadores econômicoscomumente utilizados na literatura para essa finalidade.

Ver detalhes do projeto

  Sergio Henrique Canello Schalch      Apta Regional / IP

Proteção dos Recursos Hídricos pela Agroecologia

n° SGP 1045

Este projeto está inserido na ára estratégica SUSTENTABILIDADE, programa USO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS, URBANOS E AGROINDUSTRIAIS. A agroecologia tem por base fundamentar o conhecimento e as estratégias necessárias para desenvolver uma agricultura ambientalmente correta, economicamente viável e socialmente justa. A produção ecológica promove praticas para o manejo adequado dos solos, o equilíbrio entre plantas e outros organismos e aproveitamento mais eficiente da energia do sol. O projeto propõe estudos sobre formas de compostagem visando formas de controle de fontes de resíduos orgânicos com potencial para poluição da água. Também propõe a implantação de unidades de referência agroecológica com estratégias de pesquisa-acão, para avaliar a implantação e o desenvolvimento de sistemas de produção agroecológica, com alternativas para evitar o uso de agroquímicos que colocam em risco a qualidade dos recursos hídricos e dos produtores rurais. No caso da reciclagem de resíduos orgânicos, serão utilizados resíduos de pescado e hortaliças misturados com resíduos orgânicos de textura mais grosseira processados por trituradoras (ex. casca de coco, restos de poda, entre outros). As pilhas de compostagem serão manejadas por meio de três formas de aeração: revolvimento manual, pilha estática com aeração natural e pilha estática com aeração forcada. A implantação de sistemas de produção de base agroecológica atenderá prioritariamente a agricultura familiar, fornecedores do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE e interessados em utilizar o protocolo de Boas Praticas Manejo das atividades agropecuárias preconizado pela CATI. Além do uso do composto produzido, as unidades de referência agroecológica utilizarão outras práticas agroecológicas que contribuam para a diminuição do uso de agroquímicos na região e para a proteção dos recursos hídricos.

Ver detalhes do projeto

  Silvia Rocha Moreira      Apta Regional / IAC

Rede Agroecológica Caiçara: Grupos de Consumo e as Políticas Públicas

n° SGP 965

Este projeto visa avaliar e fomentar um coletivo de produção e consumo responsáveis de Ubatuba: a Rede Agroecológica Caiçara. A iniciativa surgiu de um arranjo interinstitucional e multidisciplinar que envolve pesquisa, assistência técnica, extensão rural e políticas públicas em interação direta com a produção e o consumo. A Rede Agroecológica Caiçara foi idealizada e criada em junho de 2013 por integrantes desse grupo e consiste em um coletivo de produção e consumo que visa simplificar e otimizar a produção e comercialização dos produtos da agricultura familiar de Ubatuba, SP por meio da aproximação entre produtores, consumidores e técnicos. Os objetivos do projeto são: 1- avaliar o capital social criado no contexto da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara, por meio da avaliação das redes de relações estabelecidas; 2 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural; 3 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com o Plano Nacional de Economia Solidária, 4 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica; de modo a ampliar a visão interna da iniciativa, assim como, verificar sua adequação às políticas públicas que definem a sua interação com o ambiente externo. Para atender o primeiro objetivo, propõe-se a metodologia de Net-Maps que visa avaliar o capital social por meio da percepção individual da rede de relações estabelecida. Para o segundo e terceiro objetivos, a metodologia proposta é de revisão bibliográfica para comparação da iniciativa com as políticas e planos em questão. É uma proposta de baixo custo que visa o bom aproveitamento dos recursos públicos que já estão investidos na instituição e que não são passíveis de financiamento – como salários dos pesquisadores, computadores, energia elétrica, além do capital social - criado nas fases anteriores do projeto, que viabiliza a colaboração na atual fase do projeto, assim como, a operacionalização do projeto.

Ver detalhes do projeto

  ISABEL FERNANDES PINTO VIEGAS      Apta Regional / IEA

Agroecologia, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional

n° SGP 948

O direito a alimentação adequada e saudável, o resgate e incentivo ao consumo de plantas não convencionais, reconhecer o alimento como patrimônio cultural constituem-se em aspectos chave que fortalecem a defesa dos biomas e territórios, com suas especificidades culturais e com suas lutas pelo direito à alimentação adequada e saudável. Este projeto tem a finalidade do resgate, produção, consumo e promoção do auto-consumo de plantas não convencionais em áreas rurais e peri-urbanas;  avaliar como as ações de Segurança Alimentar são estruturadoras dos sistemas agroecológicos e dos processos sociais a eles interligados;  estudo de métodos de propagação e  germinação  de espécies de plantas não convencionais e produção de cartilha técnica sobre manejo agroecológico de plantas não convencionais. A metodologia participativa norteadora do projeto visa à construção e validação de estratégias agroecológicas assegurando a soberania, segurança alimentar e nutricional a partir da utilização da biodiversidade local. 

 

O presente projeto encontrava-se em execução no Polo Vale do Paraíba, desde 2011, registrado no SIGA sob NRP 4194, Hortaliças Não Convencionais: Aspectos fitotécnicos de cultivo, fenologia reprodutiva e qualidade nutricional, findando em dezembro/2015. Foi, durante todo o seu desenvolvimento, custeado por outro projeto que havia financiamento da FAPESP (NRP 4446 - Estratégias de adubação verde em plantio direto para produção orgânica de brocolis e milho verde no Vale do Paraiba. Em outubro de 2015,  o projeto sofreu algumas modificações, sendo submetido a FAPESP, que em dezembro/2015, retornou denegando o mesmo, porém com possiblidades de recorrer, o que foi realizado. Estou aguardando novo parecer da FAPESP, porém o projeto já implantado no campo, onde está sendo realizado a fase 2, com o viveiro antigo, fazendo a mutenção e ampliação da unidade de PANC, e estudos de método de propagação, tempo de germinação e manejo agroecológico das espécies constantes no projeto. Também estamos elaborando processo para venda de residuo de pesquisa oriunda da área deste projeto, de estacas de gliricídea, oriundos do manejo agroecológico a ser realizado, para recolher recursos, e utilizá-lo no projeto.

 

Ver detalhes do projeto

  CRISTINA MARIA DE CASTRO      Apta Regional / IAC

VITRINE AGROECOLÓGICA - AS BASES TECNOLÓGICAS DAS PESQUISAS EM AGROECOLOGIA

n° SGP 814

As atividades em Agroecologia foram planejadas para abranger os campos tecnológico, ambiental, social e cultural, para promover a redução dos impactos das externalidades do modelo de agricultura convencional sobre essas dimensões. 

Objetivos gerais da Agroecologia

  • Buscamos reduzir a contaminação por agrotóxicos nos alimentos, trabalhadores rurais e no meio ambiente, através da promoção de uma agricultura limpa.
  • Visamos aumentar a resiliência dos cultivos e criações animais por meio da biodiversidade e ambiência como eixo central no planejamento de sistemas de produção de base agroecológica para o combate dos efeitos das alterações do clima sobre a produção agropecuária e florestal, o meio ambiente e a saúde das populações.
  • Buscamos fortalecer os agricultores para se libertarem dos pacotes tecnológicos por meio da redução da dependência econômica ao incentivá-los a ingressarem em uma nova agricultura, baseada em processos e não em produtos, estimulando a adoção de sistemas de produção de base agroecológica que integrem os componentes vegetal, animal, florestal e humano na paisagem com um balanço energético mais positivo.
  • A produção de alimentos em sistemas agroecológicos busca promover a soberania e segurança alimentar e nutricional, a autossuficiência da unidade familiar em recursos de produção bem como a sua viabilidade econômica por meio da aproximação de grupos de agricultores organizados e consumidores conscientes.
  • Os sistemas agroecológicos de produção visam promover a restauração ecológica e a valorização das terras além de reconectar o ser humano na paisagem.
  • A Agroecologia visa a inclusão de jovens agricultores, de mulheres e minorias, unidos entorno de uma rede colaborativa de assistência técnica e extensão rural (ATER) atrelada às pesquisas, compensando o déficit de ATER, combatendo o êxodo rural e promovendo a inclusão social e o ingresso desses atores no mercado de produtos agroecológicos. 

Estratégias do projeto

  • Para atingir os objetivos gerais deste projeto destacamos o contínuo desenvolvimento de pesquisas básicas e aplicadas em sistemas de produção agroecológica e restauração ecológica, nas dependências do Pólo Regional e nas unidades de produção distribuídas nos diversos municípios situados em diferentes compartimentos da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul, que reúnem considerável contingente de agricultores familiares que atuam desde o ano de 2007 inicialmente testando genótipos de mandioca de mesa em parceria da APTA e a partir do ano de 2012 organizados entorno da Rede Agroflorestal do Vale do Paraíba para o desenvolvimento tecnológico de sistemas agroflorestais.  

    Para acelerar a geração e adaptação de tecnologias agroecológicas de maneira participativa como mecanismo de inclusão social e que possibilitem retroalimentar o projeto propomos valorizar e incorporar as experiências dos agricultores como saber científico para a construção de uma plataforma mais inclusiva de saberes agroecológicos.

Métodos

  • Dentre os métodos adotados na geração participativa do conhecimento e na extensão full duplex dos saberes acumulados neste projeto, destacamos a experimentação participativa que abrange uma sequência de atividades a ocorrer de maneira simultânea, alternada ou isolada, abrangendo áreas singulares ou complexas do conhecimento, tais como o estudo da paisagem, a implantação e manejo de sistemas de produção agroecológica, o levantamento e a coleta de dados nas diversas vitrines agroecológicas instaladas na APTA e áreas rurais, bem como a avaliação rápida e prática de indicadores de sustentabilidade para o dimensionamento do impacto ambiental dos sistemas de produção possibilitando melhorar o planejamento das intervenções nos sistemas de produção e no meio ambiente. 

    A promoção do intercâmbio de conhecimentos entre todos os participantes dessas atividades dar-se-á de maneira direta, prioritariamente em mutirões, com destaque para atuação de facilitadores especialistas nas diversas áreas do conhecimento. Sempre que possível os resultados técnicos serão sistematizados com o apoio de relatores e veiculados no site da APTA (Pesquisa & Tecnologia) e no blog da Rede Agroflorestal do Vale do Paraíba, promovendo dessa forma a socialização das informações. Os trabalhos de maior envergadura técnica e científica serão direcionados para publicação em periódicos indexados.

Áreas de atuação

  • Sistemas de produção agroecológica: as pesquisas visam o contínuo aperfeiçoamento de sistemas agroflorestais simplificados (agricultura sintrópica) e biodiversos (regenerativos), de sistemas de plantio direto e cultivo mínimo de culturas diversas, prioritariamente em alley cropping, de inclusão e avaliação do componente herbáceo, arbustivo e arbóreo na pecuária sustentável. Merece destaque as investidas de dimensionamento da densidade e diversidade de espécies nesses sistemas, a introdução natural ou planejada para o enriquecimento bem como a poda e o desbaste supressivo de indivíduos e os efeitos que decorrem no ambiente (reciclagem de nutrientes, aporte de fitomassa, aumento da insolação e vegetação espontânea e outros). Nestes sistemas serão avaliados os componentes produtivos e propriedades organolépticas em culturas de interesse econômico, tais como mandioca, batata doce, banana e diversidade de PANC; o aporte de fitomassa e a reciclagem de nutrientes nas culturas de cobertura e adubação verde; a modelagem de carbono de cada componente do sistema por métodos diretos e indiretos; os efeitos dos sistemas no ambiente estimados com base no componente edáfico (taxa de cobertura, temperatura, umidade, densidade/resistência do solo) e fitossociológico (índices de diversidade).
  • Indicadores de sustentabilidade: serão analisados como ferramenta de apoio à tomada de decisão previamente ao manejo dos sistemas de produção agroecológica. Podem abranger as dimensões solo, água, planta, radiação luminosa e ar. Dentre os quesitos quanti-qualitativos passíveis de monitoramento por método rápido e prático, se destacam: a taxa de cobertura do solo pela vegetação ou serapilheira; a quantidade de serapilheira em uma área determinada; a temperatura do solo medida com termômetro; a densidade do solo estimada através da resistência à inserção de haste metálica; a qualidade e diversidade da vegetação espontânea em uma determinada área; a quantidade de organismos da macrofauna presente sem uma amostra padrão de solo; o teor de matéria orgânica verificado pela destruição das estruturas carboxílicas de uma amostra de solo em reação com um determinado volume de água oxigenada sendo o valor da reatividade a intensidade e a duração da efervescência; qualidade da cultura âncora do sistema em termos de sanidade e vigor, dentre outros aspectos avaliados em caminhamento ao acaso e repetido até que se chegue em um equilíbrio entre a média dos valores coletados e o que de fato ocorre nas áreas experimentais e naturais geralmente tomadas como referência de equilíbrio dinâmico. Para cada quesito serão atribuídas notas em escala de 1 (um) como valor mínimo indesejável a 5 (cinco) valor máximo satisfatório. Os dados serão plotados em gráfico radial fornecendo uma imagem padronizada para o grupo avaliador que pode definir quais são os principais gargalos dos sistemas e compará-los entre si e com áreas naturais, além de subsidiar a decisão para o manejo corretivo. O levantamento dos dados será realizado de preferência com a participação de agrupamento de pessoas e um moderador que promoverá o diálogo para facilitar o entendimento dos procedimentos e a conclusão sobre cada indicador.
  • Estudos específicos como a caracterização fitossociológica, análises físicas e químicas de solo e tecidos vegetais bem como estudos fitoquímicos poderão ser realizados de maneira a complementar para fornecer indicadores mais confiáveis acerca do sistema e da resposta das culturas.
  • Teste de bioprodutos e novas fontes de nutrientes: são elaborados desde o ano de 2010 no Setor de Fitotecnia do Pólo Regional caldas protetivas de plantas e biofertilizantes enriquecidos com nutrientes. Os efeitos desses produtos poderão ser avaliados nas culturas a campo em termos nutricionais e fitoprotetor após bioensaios em casa de vegetação para prevenir fitotoxidez. As pesquisas sobre iscas e agentes de biocontrole serão realizadas com o devido cuidado utilizando-se equipamentos de proteção individual. Poderão ser testados os efeitos no campo de cultivo experimental a fim de comparar a eficácia no controle de fitomoléstias e para seleção de estirpes com maior virulência por agentes de pesquisa parceiros deste projeto.

Produtos gerados

  • Como ganhos diretos deste projeto para o avanço tecnológico em agroecologia destacamos a determinação do comportamento de cultivares da SAA em sistemas agroecológicos.
  • Resgate e a conservação da agrobiodiversidade in situ com a inserção em sistemas experimentais na APTA e posterior fornecimento de materiais promissores para avaliação comparativa em Bancos Ativos de Germoplasma (BAG), possibilitando o contínuo melhoramento genético.
  • Adaptações contínuas nos sistemas de produção com base na avaliação de indicadores de sustentabilidade.
Ver detalhes do projeto

  Antonio Carlos Pries Devide      Apta Regional / IAC

Estudo da espécie Lithobates catesbeianus como organismo alternativo para testes teratogênicos

n° SGP 679

O FETAX (Frog embryo teratogenesis assay – Xenopus) normatizado pela ASTM E 1439–98 (2012) é um bioensaio usado para determinar o potencial teratogênico de produtos químicos em embriões de Xenopus laevis. Embora tenha sido projetada para esta espécie, a norma permite o uso de espécies alternativas. O objetivo deste trabalho é adaptar o protocolo FETAX para Lithobates catesbeianus. Para tanto, após estabelecermos o melhor método de indução hormonal para obtenção das desovas, pretendemos: determinar o período de duração do teste FETAX para esta espécie; estabelecer as faixas de sensibilidade dos embriões à 6-aminonicotinamida, ciclofosfamida e cloreto de sódio (CL50, CE50 e Índice Teratogênico) e assim definir a substância de referência mais adequada para a espécie; validar e estabelecer a repetibilidade do teste. Com a padronização de protocolo específico para a espécie, o teste poderá ser implantado em outros laboratórios e instituições de pesquisa. Este ensaio pode ser uma excelente ferramenta na avaliação de produtos para fins regulatórios e no monitoramento de ambientes. O FETAX (Frog embryo teratogenesis assay – Xenopus) normatizado pela ASTM E 1439–98 (2012) é um bioensaio usado para determinar o potencial teratogênico de produtos químicos em embriões de Xenopus laevis. Embora tenha sido projetada para esta espécie, a norma permite o uso de espécies alternativas. O objetivo deste trabalho é adaptar o protocolo FETAX para Lithobates catesbeianus. Para tanto, após estabelecermos o melhor método de indução hormonal para obtenção das desovas, pretendemos: determinar o período de duração do teste FETAX para esta espécie; estabelecer as faixas de sensibilidade dos embriões à 6-aminonicotinamida, ciclofosfamida e cloreto de sódio (CL50, CE50 e Índice Teratogênico) e assim definir a substância de referência mais adequada para a espécie; validar e estabelecer a repetibilidade do teste. Com a padronização de protocolo específico para a espécie, o teste poderá ser implantado em outros laboratórios e instituições de pesquisa. Este ensaio pode ser uma excelente ferramenta na avaliação de produtos para fins regulatórios e no monitoramento de ambientes. O FETAX (Frog embryo teratogenesis assay – Xenopus) normatizado pela ASTM E 1439–98 (2012) é um bioensaio usado para determinar o potencial teratogênico de produtos químicos em embriões de Xenopus laevis. Embora tenha sido projetada para esta espécie, a norma permite o uso de espécies alternativas. O objetivo deste trabalho é adaptar o protocolo FETAX para Lithobates catesbeianus. Para tanto, após estabelecermos o melhor método de indução hormonal para obtenção das desovas, pretendemos: determinar o período de duração do teste FETAX para esta espécie; estabelecer as faixas de sensibilidade dos embriões à 6-aminonicotinamida, ciclofosfamida e cloreto de sódio (CL50, CE50 e Índice Teratogênico) e assim definir a substância de referência mais adequada para a espécie; validar e estabelecer a repetibilidade do teste. Com a padronização de protocolo específico para a espécie, o teste poderá ser implantado em outros laboratórios e instituições de pesquisa. Este ensaio pode ser uma excelente ferramenta na avaliação de produtos para fins regulatórios e no monitoramento de ambientes.

 

 

Ver detalhes do projeto

  Adriana Sacioto Marcantonio      Apta Regional / IP
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930